O DIA A DIA DA FRAUDE DO CAMPEONATO MUNDIAL FEMININO DE 2006, EM SANTIAGO, NO CHILE





CBHP recebe notificação do ME (10 de agosto de 2006)
A CBHP divulgou nesta semana que foi informada oficialmente pelo Ministério do Esporte que suas contas estão temporariamente suspensas por causa de problemas financeiros das gestões anteriores.
Na ocasião, o então presidente Caetano Boncristiane, não teria apresentado uma declaração de contas aceitável para o Ministério. Os valores corrigidos beiram o montante de R$ 300.000,00, que devem ser devolvidos aos cofres públicos.
Com a ação do Ministério do Esporte contra a CBHP, a viagem da Seleção Brasileira Feminina para disputar o Campeonato Mundial, no Chile, pode estar ameaçada.
O Presidente da CBHP, Moacyr Nevenschwander Junior, corre contra o tempo para solicitar um desbloqueio e a solução definitiva do impasse.



Sai lista da Seleção (18 de agosto de 2006)
Foi divulgada oficialmente nesta sexta-feira, a lista das 13 jogadoras que comporão a seleção Brasileira que disputará o Campeonato Mundial de 2006, no Chile.
Apesar de oficial, as jogadoras e seus clubes ainda não serão notificados por causa do planejamento de datas, treinos, deslocamento e hospedagem.
Até o campeonato mundial, a lista será reduzida à apenas 10 atletas, número máximo de atletas permitidos na competição.
As convocadas são:

  • Silvana Namie Nishi - Goleira (Clube Desportivo Portosantense - Portugal)
  • Anny Margareth - Goleira (Clube Português do Recife - Recife)
  • Patricia S. B. Perini - Defesa (x - São Paulo)
  • Érica Bueno Silva - Defesa (x - São Paulo)
  • Bruna Selva - Defesa (Sport Clube do Recife - Recife)
  • Gabriela Didier - Defesa (Sport Clube do Recife - Recife)
  • Carolina Romero - Atacante (Sertãozinho Hóquei Clube - São Paulo)
  • Leticia - Atacante (Esporte Clube Corrêas - Rio de Janeiro)
  • Ariane - Atacante (Esporte Clube Corrêas - Rio de Janeiro)
  • Paula Sakuma - Atacante (x - Austrália)
  • Patricia Martins de Albuquerque - Atacante (Fundação Nortecoope - Portugal)
  • Mariana Cabral - Atacante (Fundação Nortecoope - Portugal)
  • Andrea Regueira - Atacante (Clube Português do Recife - Recife)



    CBHP protocola ação no ME (2 de setembro de 2006)
    A CBHP divulgou ontem que conseguiu protocolar uma ação de responsabilidade contra o ex-presidente Caetano Boncristiane, de modo que as pendências jurídicas da gestão anterior não sejam atreladas à atual.
    A ação apresentada pelos advogados da CBHP, contitui numa peça principal na estratégia do presidente Moacyr Junior de isentar a entidade dos erros da gestão anterior e, desta forma, não trazer prejuízos aos projetos em vigor.
    Se o Ministério do Esporte aceitar o protocolo, haverá um desbloqueio natural das contas da CBHP, e, de forma direta, não trará prejuízo à Seleção Feminina, que se prepara para disputar o Mundial, em outubro, no Chile.



    Nova data para a apresentação (4 de setembro de 2006)
    Ainda de maneira não oficial, a CBHP divulgou um comunicado informal de que a nova data para a apresentação das jogadoras convocadas para a Seleção Brasileira de Hóquei Feminino, será no dia 11 de setembro, em São Paulo.
    Por problemas internos que não estavam previstos no cronograma inicial, a CBHP se viu obrigada a prorrogar o prazo, inicialmente previsto para o dia 4 de setembro.
    As jogadoras convocadas ficarão hospedadas no DEF, na Barra Funda, e farão a maior parte dos treinos no ginásio da Portuguesa de Desportos, local aonde a base da seleção foi formada.



    Sakuma na seleção Australiana (6 de setembro de 2006)
    A atacante brasileira Paula Sakuma, artilheira do Campeonato Mundial de 1996, anunciou hoje que defenderá a Seleção Australiana no Mundial do Chile.
    Paula, que jogou muito tempo em Portugal, a serviço do Gulpilhares, há 4 anos mora e joga em Sidney, na Austrália. Com o tempo, solicitou a naturalização e, aprovada, vai defender a seleção da Oceania.
    Depois que soube de sua convocação para o Mundial, pela Seleção Brasileira, fez questão de informar pessoalmente a comissão técnica de sua decisão, por telefone.



    Capitã da seleção fora do Mundial (7 de setembro de 2006)
    A capitã da Seleção Brasileira, Patrícia Perini, anunciou, de maneira não oficial, que não pretende disputar este Campeonato Mundial.
    Depois que soube que seu nome integrava a lista das selecionáveis, a jogadora, duas vezes vice-campeã mundial, anunciou que seu ciclo na seleção está encerrado.



    Jogadoras chegam a São Paulo (11 de setembro de 2006)
    As jogadoras convocadas para a Seleção Brasileira que vai disputar o Campeonato Mundial do Chile, e que não moram em São Paulo, começaram a chegar hoje na capital paulista, onde serão realizados os treinos.
    Das jogadoras que moram fora da cidade, ainda faltam chegar as médias Bruna Selva e Gabriela Didier que, por motivos profissionais, ainda permanecem no Recife.



    Começam os treinos da seleção (12 de setembro de 2006)
    Começaram hoje os treinos da seleção Brasileira que vai disputar o Campeonato Mundial, no Chile. Os destaques negativos são a ausência das jogadoras Bruna Selva, Gabriela Didier e Patricia Perini, esta última, em definitivo.
    Os treinos acontecerão diariamente, das 15h às 18h, no pavilhão de hóquei da Portuguesa de Desportos, à excessão de segunda-feira, quando o clube é fechado. No sábado, os treinos acontecem das 18h às 21h.



    Perini se apresenta no Canindé (13 de setembro de 2006)
    A capitã da seleção, a defesa Patrícia Perini, se apresentou oficialmente hoje à comissão técnica da Seleção Brasileira, para disputar o Campeonato Mundial, no Chile.
    Contrariando sua idéia inicial, a capitã do escrete canarinho anunciou que pretende fazer deste Mundial, a sua despedida oficial.



    Gabriela e Bruna fora da Seleção (22 de setembro de 2006)
    As duas jogadoras do Sport Clube do Recife, Bruna Selva e Gabriela Didier, não integrarão a seleção Brasileira que disputará o Campeonato Mundial no Chile.
    Após a demora na apresentação, a médio Gabriela Didier foi cortada pela Comissão Técnica. Já sua colega de clube, Bruna Selva, que seria titular da Seleção, pediu desconvocação por não poder ausentar-se do trabalho.
    Com o corte das duas jogadoras, a Seleção fica com 10 jogadoras em seu plantel, o número ideal para a competição.



    Seleção apresenta as 10 atletas (23 de setembro de 2006)
    A Seleção Brasileira de Hóquei Feminino, que vai disputar o Campeonato Mundial no Chile, apresentou hoje as 10 jogadoras que integrarão sua equipe.
    Após o período de treinos, que se encerra na próxima quinta feira, o elenco ficou assim definido:
    1 - Silvana Namie Nishi - Goleira (Clube Desportivo Portosantense - Portugal)
    2 - Andrea Regueira - Atacante (Clube Português do Recife - Recife)
    3 - Ariane Dalmazo - Atacante (Esporte Clube Corrêas - Rio de Janeiro)
    4 - Leticia - Atacante (Esporte Clube Corrêas - Rio de Janeiro)
    5 - Mariana Cabral - Atacante (Fundação Nortecoope - Portugal)
    6 - Carolina Romero - Atacante (Sertãozinho Hóquei Clube - São Paulo)
    7 - Érica Bueno Silva - Defesa (x - São Paulo)
    8 - Patricia Martins de Albuquerque - Atacante (Fundação Nortecoope - Portugal)
    9 - Patricia S. B. Perini - Defesa (x - São Paulo)
    10 - Anny Margareth - Goleira (Clube Português do Recife - Recife)



    Foto oficial para o Mundial (23 de setembro de 2006)

    A Seleção Brasileira de Hóquei feminino realizou hoje uma seção de fotos para a imprensa especializada para o Mundial do Chile.
    As fotos, em grupo e individualmente, foram acompanhadas pelos Srs. Joaquim Leão, presidente da C&G do Brasil, e pelo Sr. Filipe Garcia, presidente da C&G Portugal.
    A Costa & Garcia é uma das empresas que apoiam a Seleção Brasileira de hóquei feminino para este Campeonato Mundial.



    Tabela do Mundial tem erros (23 de setembro de 2006)
    A organização do Campeonato Mundial de Hóquei feminino apresentou ontem a tabela oficial do Campeonato Mundial, com uma série de irregularidades, a maioria delas em favor da equipe sede.
    Os erros mais grosseiros, podem prejudicar a Seleção Brasileira diretamente. Primeiro, pela inclusão da Suíça no grupo do Brasil, no lugar da África do Sul. Pela classificação alfabética a que essas duas equipes se submeteram, South Africa deveria vir antes de Switzerland e, desta forma, integrar o grupo do Brasil.
    O outro erro que pode prejudicar o Brasil, é na ordem em que os jogos acontecem. Na tabela apresentada pela organização, a equipe do Chile sempre tem folga antes dos jogos mais importante, enquanto seus adversários chegam a fazer até dois jogos no mesmo dia.
    É bem provavel que hajam reclamações, mas até o momento, nenhuma confederação manifestou-se à respeito.



    Seleção treina no Colégio Santana (25 de setembro de 2006)

    A Seleção Brasileira de Hóquei feminino realizou hoje um treino no Colégio Santana, zona norte de São Paulo.
    Aproveitando a impossibilidade de treinar na quadra da Portuguesa, por recesso do clube, o escrete canarinho deslocou-se, mesmo que incompleto, pra fazer uma demonstração.
    O Colégio Santana hoje tem a patinagem e o hóquei como atividades extra-curriculares, ministradas pela médio da seleção, Érica Silva.



    Seleção embarca na sexta (26 de setembro de 2006)
    Foi confirmado hoje pela Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação os horários do embarque da Seleção Brasileira para o Chile, aonde disputará o Campeonato Mundial da modalidade. São eles:
          1 - AR1241: 29SEP - GRUEZE - 11:00 13:55
          2 - AR1286: 29SEP - EZESCL - 15:10 16:25



    CIRH apresenta nova Tabela (27 de setembro de 2006)
    Depois de uma série de reclamações sobre a tabela do Campeonato Mundial, o Comitê Internacional de Rink Hockey (CIRH), anunciou a publicação de uma nova tabela para o Campeonato Mundial, a ser disputado no Chile.
    Na nova tabela, mais coerente e seguindo os padrões internacionais, o grupo do Brasil volta a ter a África do Sul no lugar da Suiça.



    ME libera verba para CBHP (28 de setembro de 2006)

    O Ministério do Esporte liberou hoje a verba que a Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação solicitou para as despesas do Campeonato Mundial, que acontece no Chile, na próxima semana.
    Desta forma, todo o investimento já feito até agora pela seleção, por colaboradores, deverá ser reembolsados pela CBHP.
    Vale a pena destacar a ótima atuação do presidente da CBHP, Moacyr Júnior, durante o burocrático e sinuoso processo de liberação, uma vez que, por problemas da gestão anterior, o dinheiro quase ficou bloqueado nos cofres públicos.



    Seleção embarca para o Chile (29 de setembro de 2006)

    A Seleção Brasileira de Hóquei sobre patins feminino embarcou hoje para o Chile, aonde disputará o Campeonato Mundial.
    A viagem, considerada curta em relação aos dois últimos mundiais, em 2002 e 2004, respectivamente Portugal e Alemanha, terá uma breve escala em Buenos Aires. O fuso horário aonde a Seleção estará alojada é de menos 1 hora em relação ao horário oficial de Brasília.
    Na agenda da Seleção, está o reconhecimento de quadra, na manhã de sábado. O primeiro jogo acontece no domingo, contra a África do Sul.



    LANCE! (30 de setembro de 2006)

    O jornal de esporte LANCE!, o maior do Brasil, publicou hoje uma página inteira sobre a Seleção Brasileira, com destaque para a atacante Patricia Albuquerque, considerada a melhor jogadora do mundo.
    Mesmo contrariando a regra dos meios de comunicação, que costumam a ignorar todos esportes que não o futebol, a reportagem saiu com alguns erros. O mais gritante, dizia que Patricia Albuquerque foi 4 vezes artilheira do mundial de hóquei na grama, quando na verdade, seria Hóquei em Patins.



    Nova tabela para o Mundial (30 de setembro de 2006)
    A comissão organizadora do Campeonato Mundial, que será realizado apartir de hoje, no Chile, divulgou uma nova tabela de jogos para a competição, fruto da desistência de última hora do Uruguai, por motivos ainda não divulgados.
    A mudança afetará diretamente o Brasil, pois o Uruguai pertence ao grupo 1, de onde sai o adversário do Brasil na próxima fase.
    Faça o download da nova tabela aqui



    Reconhecimento de pista (30 de setembro de 2006)

    A Seleção Brasileira de Hóquei sobre Patins Feminino fez hoje, às 8:40 da manhã, o reconhecimento de pista obrigatório, sua última atividade ffísica antes da estreía na competição, que acontece no domingo, contra a África do Sul.
    Embora algumas jogadoras tenham trocado as rodas em busca de uma melhor adaptação, a pista foi considerada boa, mesmo que o pó possa atrapalhar o decorrer da partida, deixando-a escorregadia.



    Mariana assaltada no Chile (30 de setembro de 2006)
    A atacante da Seleção Brasileira Mariana Cabral foi assaltada hoje em frente ao hotel aonde a delegação brasileira está hospedada.
    Mariana estava ao telefone quando foi abordada e teve sua máquina digital arrancada de suas mãos. Apesar da violência, Mariana sofreu apenas arranhões, passa bem e está confirmada como titular para a partida de amanhã, contra a África do Sul.
    Já a máquina, uma Sony CyberShot de 7.2 MP, que estava sendo usada como a "Máquina oficial da Seleção", não foi recuperada. As fotos da viagem e do reconhecimento de pista, já tinham sido descarregadas e apagadas, minutos antes, durante o almoço.



    Público lota abertura (30 de setembro de 2006)

    Mais de 2 mil pessoas lotaram a abertura do 8o Campeonato Mundial de Hóquei em Patins Feminino, que está sendo realizado na privíncia de San Miguel, nos arredores de Santiago. A cerimônia contou com todas as jogadoras dos 16 países participantes, que ouviram seus respectivos hinos nacionais.
    O primeiro jogo da competição, e único do primeiro dia, terminou com vitória da a equipe da casa, que venceu com relativa facilidade a seleção da Inglaterra por 4-1. Amanhã acontecem todos os outros jogos da primeira rodada.
    O Brasil, que vai jogar com o uniforme número 2 (todo azul), enfrenta a África do Sul (que joga de verde e amarelo), às 19hrs.



    FPP suja Seleção Brasileira (1 de outubro de 2006)
    Numa jogada considerada pelos brasileiros como de muito baixo nível, a Federação Portuguesa de Patinagem apresentou, pouquissimas horas antes de estréia da Seleção Brasileira, um e-mail, sem assinatura e com validade duvidosa, em que acusa a goleira titular do Brasil de ter sido pega em um exame de Anti-doping, em junho de 2006.
    Mostrando total desconhecimento das leis de internacionais de anti-doping, geridas pela WADA (World Anti-Doping Agency), a Federação Portuguesa de Patinagem exigiu a expulsão da goleira Silvana Namie do Mundial, numa clara tentativa de prejudicar o Brasil. Vale lembrar que, nos últimos dois Campeonatos Mundiais, Portugal foi eliminado pelo Brasil, nas semi-finais.
    A Delegação Brasileira informa que, pelas normas internacionais da WADA, caso a atleta tenha mesmo sido atestada como "positiva", teria sido comunicada oficialmente e teria direito a uma defesa. Como isso nunca aconteceu, é nítido que se trata de uma armação da entidade Portuguesa. Lamentável.



    CIRH endossa fraude e ameaça Brasil (1 de outubro de 2006)

    O que parecia impossível, aconteceu. Baseado num "Papel de Pão" o Comitê Internacional de Rink Hockey suspendeu a goleira da Seleção Brasileira, Silvana Namie, do Campeonato Mundial, que está sendo realizado no Chile, minutos antes da estréia da Brasileira.
    Nossa comissão técnica tentou, em vão, demonstrar que a jogadora não poderia sofrer qualquer tipo de punição, sem que fosse enviado um único documento oficial, seja para a Confederação Brasileira, seja para o CIRH, que aceitou a inscrição da atleta no Congresso de Abertura, sem nenhuma ressalva. Vale lembrar que a própria Federação Portuguesa esteve presente no congresso e não se manifestou a respeito.
    "Estamos indignados e revoltados", é a posição oficial da Delegação Brasileira no Chile.
    Embora o único documento oficial sobre o caso seja a própria circular no 2 do evento, que foi baseada num rascunho feito às pressas, e de origem duvidosa, a Comissão Técnica Brasileira anunciou que vai recorrer da injusta decisão.



    Silvana confirmada no Brasil (1 de outubro de 2006)
    A Comissão Técnica da Seleção Brasileira confirmou, agora há pouco, a escalação da equipe que enfrenta a África do Sul na estréia de logo mais. A goleira Silvana Namie foi confirmada como goleira titular.
    "Não podemos sacrificar a equipe que veio treinando junta, por causa de um documento sem base legal e nem moral. A suspensão é um absurdo" defende-se o treinador da Seleção (No caso eu mesmo!).
    Para jogar com a goleira, a Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação entrou com um recurso solicitando a anulação do comunicado no 2, que suspende a goleira do Campeonato do Mundo, usando como base o próprio regulamento da WADA.
    A CBHP já informou que seu advogado internacional, o Sr. Fábio Petrachi, chega no Chile em poucas horas, para tentar acabar com a "palhaçada" que se instaurou nas ultimas horas, através de rumores e disse-me-disse.



    Brasil estreia com goleada de 12-0 (1 de outubro de 2006)

    A Seleção Brasileira fez hoje sua estréia no Campeonato Mundial, aplicando uma sonora goleada contra a África do Sul, por 12 a zero.
    Embora o resultado tenha sido elástico, o que se viu foi uma equipe brasileira visivelmente nervosa com os fatos acontecidos nas horas anteriores da partida, com a tentativa de desestabilizar a equipe.
    Amanhã o Brasil enfrenta a Colômbia, que venceu os Estados Unidos na primeira jornada. Brasil e Colômbia lideram o grupo B da competição.



    FPP apresenta falsificações ao CIRH (2 de outubro de 2006)
    A Federação Portuguesa de Patinagem apresentou hoje para o Comitê Internacional de Rink Hockey uma série de documentos falsificados grosseiramente, como prova do suposto caso de dopagem envolvendo a atleta Brasileira Silvana Namie Nishi.
    Os documentos apresentados foram aceitos como os oficiais da entidade para basear sua acusação, mas na verdade só causam o agravamento da situação, pois caracterizam crime material e falsidade ideológica.
    É um incidente internacional gravíssimo porque mostra claramente as intenções da entidade Portuguesa em prejudicar deliberadamente a Seleção Brasileira no Campeonato Mundial, que está sendo disputado no Chile.
    Para efetuar sua defesa, a Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação já encaminhou seu advogado, o Sr. Fábio Petrach, que chegou ao Chile nesta segunda-feira.
    Acompanhe abaixo os detalhes dos documentos:



    Brasil empata com Colômbia 2-2 (2 de outubro de 2006)

    Uma Seleção Brasileira visivelmente abatida empatou hoje em dois gols com a Seleção da Colômbia, pela segunda jornada do Campeonato Mundial Feminino.
    Embora tenha sido um resultado adverso, já que o gol de empate das Colombianas aconteceu a 13 segundos do fim da partida, o empate pode ser considerado como um resultado justo, já que a equipe Colombiana dominou boa parte do jogo, disperdiçando dois penalties mau marcados e algumas bolas ao poste.
    No primeiro tempo, as brasileiras lançavam-se velozmente ao ataque e eram paradas com falta pelas colombianas. Os constantes erros da arbitragem deixaram a equipe ainda mais nervosa. Nem o primeiro gol do Brasil, de pênalti, conseguiu acalmar os ânimos das canarinhas. Ao fim do primeiro tempo, o Brasil passou pelos seus piores momentos, quando as duas atacantes, Patrica Albuquerque e Mariana Cabral, as duas únicas que ainda jogam na Europa, foram expulsas.
    No início da segunda parte, as Colombianas empataram. A partir daí viu-se um Brasil melhor, com muito mais calma, controlando o jogo até seu fim. Um gol "espírita", marcado por Mariana Cabral parecia que consagraria uma vitória da luta e da garra. Mas a 13 segundos do fim, uma saída errada para o ataque resultou no gol de empate das Colombianas.
    Amanhã o Brasil enfrenta os Estados Unidos e precisa de uma vitória por um número específico de gols para terminar em primeiro lugar no grupo.



    CIRH anuncia decisão amanhã (2 de outubro de 2006)
    O Comitê Internacional de Roller Hockey marcou para amanhã, às 11 da manhã, seu veredito final sobre a acusação da Federação Portuguesa de Patinagem para a goleira da Seleção Brasileira, por Doping.
    O advogado da Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação, Dr. Fábio Petrach, encaminhou indignado para a entidade todos os documentos falsificados que a Federação Portuguesa de Patinagem forjou para tentar punir a atleta Silvana Namie Nishi no Campeonato Mundial de Hóquei Feminino, que está sendo disputado no Chile.
    Com as novas provas em mãos, o CIRH esteve reunido oficialmente, mas anunciou que só fará seu pronunciamento amanhã, quando recebe um documento do Comitê Anti-Doping da FIRS.



    Perini passa mal e desfalca o Brasil (3 de outubro de 2006)
    A capitã da Seleção Brasileira, Patrícia Perini, foi relacionada para a derradeira partida contra os Estados Unidos, mas não vai jogar.
    A defesa, que faz deste Mundial sua despedida da Seleção, teve uma indisposição alimentar e passou mal durante a noite, culminando numa desidratação seguida de vômitos.
    Para um Mundial que já se apresenta complicado, este é mais um problema para a Comissão Técnica Brasileira.



    CIRH adia decisão (3 de outubro de 2006)
    O Comitê Internacional de Roller Hockey resolveu adiar, por prazo ainda indefinido, seu veredito final sobre a acusação da Federação Portuguesa de Patinagem para a goleira da Seleção Brasileira, por Doping.
    Segundo o Chileno René, membro do CIRH residente na Austrália, a entidade está esperando receber mais informações da Itália. O Brasil, paciente, fará sua parte na quadra.



    Brasil precisa vencer por 6 gols (3 de outubro de 2006)
    Com a vitória da Colômbia sobre a Áfirca do Sul por 13-0, o Brasil tem uma difícil missão: precisa vencer os Estados Unidos por uma diferença superior a 5 gols, para terminar em primeiro lugar no grupo B. Caso a diferença não ultrapasse os 5, o Brasil fica em segundo lugar.
    Para uma equipe que vem apresentando diversos problemas dentro e fora da pista, a simples vitória contra os Estados Unidos já seria uma tarefa difícil. Por uma contagem mínima, quase impossível.



    Brasil faz sua parte na pista (3 de outubro de 2006)

    Uma Seleção Brasileira renovada, determinada e com toda a categoria que lhe credencia como atual vice-campeã do Mundo, venceu e convenceu a seleção dos Estados Unidos por 9-1, garantindo assim o primeiro lugar no grupo B após o fim da primeira fase.
    Sem poder contar com a capitã Patricia Perini, que passou mal durante a tarde, a Seleção entrou com a pernambucana Andréa Reguera, que cumpriu muito bem o seu papel.
    O ataque Brasileiro, que finalmente apresentou-se com os nervos equilibrados, fez uma atuação de gala, com as jogadoras sendo reconhecidas pela torcida local, que nos ultimos jogos não vinha simpatizando com o Brasil.
    O destaque da partida fica por conta da médio Érica Silva (Cadeta) que teve uma atuação primorosa, conduzindo sua equipe para a vitória, e saindo de campo como a melhor jogadora.
    Desta forma, a Seleção Brasileira fez, na pista, sua parte. Cabe agora ao tapetão, ver se a Seleção pode ou não continuar no Mundial.



    Brasil enfrenta Chile nas quartas (3 de outubro de 2006)
    Com uma vitória da Argentina sobre o Chile, por 2 a 0, terminou a primeira fase do Campeonato Mundial. O Brasil, primeiro lugar no grupo B, vai enfrentar o Chile, 2o do grupo A, nas quartas de final.
    Veja como terminou a primeira fase, a classificação e como ficaram definidos os jogos da próxima fase:



    Consulado e COB não ajudam (4 de outubro de 2006)
    Ainda abalado com a possibilidade da Seleção Brasileira de Hóquei Feminino ser eliminada do Campeonato do Mundo por causa dos documentos falsos apresentados pela FPP, a Comissão Técnica Brasileira buscou ajuda do Consulado Brasileiro, em Santiago, e do COB, no Brasil.
    Infelizmente, nenhuma das duas entidades pôde fazer nada, alegando que o caso está fora de suas respectivas alçadas.



    Brasil visita escola assistencial (4 de outubro de 2006)

    A Seleção Brasileira de Hóquei Feminino visitou hoje, no seu dia de folga, a entidade social "Escuela Diferencial Los Cedros Del Libano". A escola é um refúgio para que as crianças com deficiência mental possam conviver bem assessoradas no seu dia-a-dia.
    O instituto é mantido em Santiago com apoio da Embaixada Brasileira. Com a visita da Seleção, as crianças ficaram muito eufóricas e satisfeitas, deixando encantados os professores e enfermeiros.
    Ao fim da visita, a Seleção ainda pode conhecer a Casa da Cultura de San Miguel, alojada numa residencia secular.



    CIRH elimina o Brasil do Mundial (4 de outubro de 2006)
    Nesta manhã de quarta-feira, aconteceu o improvável: por causa da palhaçada criada pela Federação Portuguesa, o Brasil está eliminado do Campeonato Mundial de Hóquei Feminino, que está sendo disputado no Chile.
    Neste momento, não cabe a mim fazer nenhum comentário, tampouco decidir agora se continuarei a escrever este FLOG. Até porque o hóquei está morto.



    Triste Brasil vence Inglaterra (5 de outubro de 2006)

    Ameaçada de sofrer uma suspensão por dois anos caso não jogasse hoje, a Seleção Brasileira se viu obrigada a endossar a palhaçada criada em torno deste Campeonato Mundial e enfrentar a Inglaterra pela disputa do nono lugar.
    Antes da partida, os dirigentes Brasileiros exigiram que fosse colocada na súmula um protesto, em que o Brasil não concordava em disputar o jogo, mas nem isso aconteceu. O presidente do Comite Internacional de Árbitros, Antonio Santos Rocha, membro do CIRH presente na mesa, não permitiu o Brasil de fazer o protesto.
    Na quadra, as canarinhas fizeram, de novo, a sua parte e venceram por 7-3, um jogo em que o principal destaque foi o desequilíbrio emocional de todos os integrantes da delegação Brasileira, que, em diversas vezes, discutiam muito asperamente entre si.
    A goleira Brasileira Silvana Namie, alvo de toda a confusão, preferiu não jogar para isentar o Brasil de mais punições. Como no hóquei em patins é obrigatório a presença de duas goleiras na equipe, a capitã e titular Patricia Perini, em sinal de protesto, vestiu-se de goleira e ficou no banco de reservas todo o jogo.
    Como mais um sinal de protesto, as jogadoras Brasileiras se apresentaram na pista todas com narizes de palhaço e uma tarja preta no braço, atitude que revoltou os Ingleses, e deve se repetir até o final do Mundial.



    Ariane afastada da Seleção (5 de outubro de 2006)
    Depois de terem se recusado a vestir o equipamento de goleira reserva, já que no hóquei é obrigatório a presença deste suplente, as jogadoras Leticia Pestana e Ariane Dalmazo foram advertidas pela Comissão Técnica que não jogariam a partida contra a Inglaterra, embora tenham sido autorizadas a ficar no banco de suplentes. A capitã Patricia Perini assumiu a responsabilidade e se trocou como goleira reserva, obrigando a escalação da médio Andréa Regueira na sua posição, jogo na qual esteve muito bem.
    Ao intervalo, a atacante Ariane resolveu tirar o equipamento de jogo e foi afastada por indisciplina.
    Embora os ânimos tenham se exaltado em algum trecho do processo, as jogadoras permaneceram unidas e cumpriram sua missão na pista.



    Coletiva de Imprensa para o Brasil (5 de outubro de 2006)
    A Comissão Técnica da Seleção Brasileira convocou para hoje, às 18:00, uma coletiva de imprensa aonde deve esclarecer todos os acontecidos que culminaram com a eliminação do Brasil do Campeonato do Mundo.
    Além de tentar denunciar à imprensa a corja que vêm se instalando nos altos cargos mundiais do Hóquei em Patins, os Brasileiros querem exclarecer alguns fatos que tem se tornado confuso desde a eliminação do escrete canarinho.
    Dentre a total falta de informação sobre o que tem realmente acontecido no Chile, alguns meios de comunicação tem noticiado erroneamente os fatos. Em Recife, por exemplo, a Comissão Técnica é acusada injustamente de ter escalado uma jogadora irregular. No Chile, a imprensa noticia o caso de doping como se tivesse acontecido no dia anterior.



    Coletiva põe fogo no Mundial (5 de outubro de 2006)

    A Coletiva de Imprensa que aconteceu hoje às 18:00, causou um mal estar muito grande nos organizadores e dirigentes do Campeonato Mundial de Hóquei Feminino, que está sendo realizado no Chile. Dezenas de repórteres compareceram e ficaram indignados com os acontecimentos relatados por Marcelo Albuquerque e Silvana Namie, os únicos Brasileiros que estiveram presentes.
    O treinador ainda distribuiu uma cópia dos documentos falsificados para todos os jornalistas participantes, que, após a coletiva, foram tirar satisfações com os dirigentes e só comprovaram toda a armação feita em cima das Brasileiras.
    O estado de nervos ficou mais evidente quando Silvana, que não conseguia mais conter-se, terminou chorando, ao vivo, para uma rádio de San Juan. O treinador teve que continuar a palavra e explicar aos Argentinos o que estava acontecendo.
    Depois da saia justa, alguns dirigentes do CIRH já foram pegos conversando em particular com os Brasileiros, provavelmente buscando uma saída diplomática para o caso.



    LANCE! informa brasileiros (6 de outubro de 2006)

    O periódico LANCE!, o maior jornal de esportes do Brasil, publicou hoje para seus leitores todas as informações sobre a fraude que envolveu a Seleção Brasileira no Campeonato Mundial de Hóquei em Patins Feminino.
    No periódico, foram reproduzidos diversos itens deste flog, com a devida autorização.



    Brasil vence Austrália (6 de outubro de 2006)

    A Seleção Brasileira enfrentou e derrotou a Seleção da Austrália na disputa do 9o ao 12o lugar, por 3-2. Com a vitória, o Brasil se classificou para a próxima fase da poule B, e fará seu último jogo neste Mundial contra a Seleção da Itália, que venceu hoje a Suiça por 3-2.
    O Brasil jogou com um protesto apresentado à mesa em que relata não estar de acordo com a punição a que lhe foi imposta, já que, até o momento, o Brasil não perdeu um único jogo.
    A Seleção Australiana, por sua vez, contou com arma curiosa: a atacante Brasileira Paula Sakuma, artilheira do Campeonato Mundial de 1996, em Sertãozinho, e que foi convocada para defender as Seleção do Brasil neste mundial, naturalizou-se australiana e jogou pela primeira vez contra seu país, chegando, inclusive, a marcar um dos gols de sua nova pátria.
    Apesar da vitória, o Brasil fez sua pior partida neste Mundial, e a sofrida vitória quase não vêm. No fim, a atacante Mariana Cabral, que joga na Europa, não esteve bem e teve de ser atendida.



    Brasil enfrenta Itália (6 de outubro de 2006)
    A Seleção Brasileira vai enfrentar a Itália no seu último jogo neste Campeonato do Mundo, partida que define quem fica com a 9o colocação.
    A única vez que Brasil e Itália se enfrentaram em um Campeonato Mundial Feminino, foi exatamente há 10 anos. Porém, o jogo entre as duas potências era uma semi-final, e a Seleção Européia saiu com a vitória na disputa de pênaltis, depois de conseguir o empate em 1 gol a 2 segundos do fim do jogo.
    Daquele dia fatídico, no Mundial de Sertãozinho, 6 atletas que jogaram em 1996 estarão presentes também amanhã: pelo Brasil, Patricia Albuquerque, Patrícia Perini, Érica Silva e Anny Margareth. Pela Itália, Chiara Vannuci e Gina Martino.
    O jogo acontece às 16h, horário local de San Miguel.



    Mais Protesto! (6 de outubro de 2006)

    Diante de um público de mais de 3 mil pessoas que aguardavam as semi-finais do Campeonato Mundial de Hóquei em Patins Feminino, as jogadoras da Seleção Brasileira fizeram um protesto pela sua eliminação injusta do Campeonato do Mundo, executado pelo CIRH com base em documentos grotescamente falsificados.
    O protesto causou um alvoroço entre os membros do CIRH que estavam presentes na mesa, que terminaram ordenando que a faixa de protesto fosse arrancada das mãos das Brasileiras.
    O que se viu então foi algo impensado: protegida pelos torcedores chilenos, as Brasileiras foram ovacionadas durante vários minutos. Aos gritos de "BRASIL", 3 mil pessoas reclamaram abertamente contra o CIRH, no que já pode ser considerada a maior fraude já feita em um Campeonato Mundial.
    Várias emissoras de televisão entrevistaram as Brasileiras e ouviram, mais uma vez, toda a farsa que foi armada pela Federação Portuguesa de Patinagem.



    Espanha e Chile na Final (6 de outubro de 2006)
    Espanha e Chile farão a final deste Campeonato Mundial de Hóquei Feminino, que está sendo realizado em San Miguel, no Chile.
    Depois de vencer as Argentinas nos pênaltis, depois de um empate em 1-1, as Espanholas chegam à sua quarta final de Mundial. Nas três finais anteriores que disputou (1994, 1996 e 2000), a Espanha sagrou-se tri-campeã.
    Para o Chile chegar a uma final é novidade. A equipe Sulamericana nunca passou das quartas-de-final, mas chegou nesta final ao eliminar o favoritismo de Portugal e vencer por 4-3, numa virada espetacular depois de estar perdendo de 3-1 ao intervalo.
    Para a disputa de 3o e 4o lugar, Portugal e Argentina se enfrentam. A última vez que jogaram, na final do Campeonato do Mundo de 1998, a Argentina saiu com o primeiro de seus 3 títulos mundiais.



    Portugal FORA! (6 de outubro de 2006)
    OPINIÃO
    É com enorme satisfação que posso anunciar a eliminação da Seleção Portuguesa do Campeonato Mundial, mesmo que, infelizmente, tenha acontecido na pista, numa semi-final. A derrota foi para a Seleção Chilena, por 3-4, de virada, mesmo após estar vencendo o primeiro tempo por 3-1.
    Desta forma, a Federação Portuguesa de Patinagem viu sua Seleção cair na mesma etapa dos últimos dois últimos Mundiais, quando o Brasil era seu adversário.
    Depois de inventar e forjar os documentos para tirar o Brasil de seu caminho, a Seleção de Portugal não teve forças para superar o Chile que, jogando com sua torcida, fez o papel que sempre coube à nós: mandá-las de volta pra casa.
    Meus pêsames para as jogadoras Portuguesas que nada têm a ver com a fraude, a quem respeito muito e muita das quais eu conheço e já convivi pessoalmente. Fica então a lição apenas aos criminosos: mesmo quando crime parece compensar, aparece a justiça Divina para pôr ordem nas coisas.
    Aqui se faz, aqui se paga!



    Doping da WADA é uma farsa (7 de outubro de 2006)
    Para completar a lista de palhaçadas e fraudes envolvendo a Seleção Brasileira de Hóquei em Patins feminino, a divulgação da substância que foi pega no suposto teste de dopagem da goleira Brasileira Silvana Namie Nishi, o Heptaminol, só aumenta a indignação da Delegação do Brasil.
    Conforme a lista Oficial da World Anti-Doping Agency (WADA), o Heptaminol não é substância dopante, ou seja, caso o doping fosse mesmo verdadeiro, a atleta não poderia ser punida, pois o Heptaminol não aparece na lista de substâncias proibidas, mas sim, na lista de substâncias não recomendadas, junto com a cafeína e a insulina.
    Pelo documento oficial da WADA, o Heptaminol só poderia ser considerado dopante, se ministrado junto com um anabolisante ou com qualquer substância que consta na lista de "mascaradores" de doping, fato que não aconteceu.
    Ainda na lista oficial da WADA, a própria entidade reconhece o Heptaminol como uma substância extremamente comum, "cujo teste de doping deve ser descartado imediatamente após o atleta apresentar a bula de um medicamento que têm consumido que contenha a substância".
    A PALHAÇADA ESTÁ COMPLETA.



    Brasil goleia Itália e sai invicto (7 de outubro de 2006)

    A Seleção Brasileira de Hóquei sobre Patins feminino fez sua despedida com uma goleada sobre a Itália por 5-0, e terminou de forma invicta o Campeonato do Mundo, disputado no Chile. Se por acaso a equipe da casa vencer a final de hoje à noite, contra a Espanha, o Brasil terminará a competição como único invicto.
    Embora a disputa do clássico valesse pelo 9o e 10o lugares, por causa dos lamentáveis incidentes já repetidos à exaustão neste Flog, ambas equipes entraram na quadra parecendo dispostas a lutar pela vitória.
    A Seleção Brasileira postou-se em quadra com seu quarteto original, uma vez que Patricia Perini não equipou-se como goleiro reserva. Leticia Pestana voltou atrás na sua decisão e aceitou cumprir o papel. A médio Andrea Regueira não apresentou condições de jogo, por causa de um dolorido furúnculo oportuno que lhe apareceu na axila direita.
    Embora contasse com sua força máxima, a Seleção apresentou-se num nível técnico baixo, como tem acontecido desde sua expulsão. Mesmo assim, depois de boa jogada individual, Patrica Albuquerque serviu Érica Silva que abriu o marcador aos 10 segundos de jogo.
    À Seleção Feminina restou administrar o resultado e esperar o término do jogo. Toda a vez que a Itália aventurava-se a fazer uma pressão, o Brasil ampliava a vantagem abusando dos contra-ataques. Em determinado momento, o jogo ficou morno e sem interesse, porque a Itália estava mais preocupada em evitar uma goleada histórica, do que em tentar reverter o placar do jogo.



    Chile é "campeão" no Golden Gol (7 de outubro de 2006)

    Se toda essa palhaçada que chamaram de Campeonato Mundial pudesse ter um campeão, esse seria a Seleção do Chile, que venceu heroicamente a Seleção da Espanha no golden gol, depois de um empate no tempo normal em 1 gol.
    Foi sem dúvida a final de Campeonato Mundial Feminino mais empolgante desde a sua criação, em 1992. Somente uma Seleção já tinha sido campeã jogando em casa, a Argentina, em 1998, mas o público presente na final de hoje foi mais vibrante e participativo. Mais de 3 mil pessoas foram ao delírio com a vitória Chilena e a polícia teve trabalho em tentar conter a festa.
    Com os ingressos esgotados e o pavilhão lotado desde as primeiras horas da tarde, o que incentivou a ação de cambistas vendendo ingressos falsos, a Espanha abriu o marcador na segunda parte, depois de um empate sem gols no primeiro tempo, mas cedeu o empate num momento inoportuno.
    Na prorrogação, depois de duas excelentes oportunidades de gol da Espanha, o Chile fez um gol espetacular, que fica impossível tentar descrevê-lo. A torcida invadiu a pista e não parou mais de festejar.
    Pela disputa de 3o e 4o lugares, a Argentina venceu Portugal por 3-1. O Brasil terminou em 9o lugar, mas foi o único país invicto do Campeonato Mundial. Fora a palhaçada.



    Tabela completa da Segunda Fase (7 de outubro de 2006)



    Patricia artilheira, de novo (7 de outubro de 2006)

    Pela quinta vez na história do Campeonato Mundial, a Brasileira Patrica Albuquerque terminou como artilheira da Competição, com 18 gols, 2 a mais que a Italiana Chiara Vanucci. A Portuguesa Neuza Prebe ficou em terceiro lugar, com 15 gols, e outra Brasileira, a pernambucana Mariana Cabral, terminou em 4o lugar, com 14 gols.
    Para completar a palhaçada (já está sendo repetitivo dizer isso) o CIRH recusou-se a entregar o troféu, mesmo que faça parte das regras oficiais do Campeonato Mundial.
    A Comissão Técnica do Brasil deve juntar este protesto à penca dos que já foram acumulados até aqui.



    Brasil não participa do Desfile (7 de outubro de 2006)
    A Seleção Brasileira não participou do desfile de encerramento do Campeonato Mundial de Hóquei Feminino, que marcou o encerramento oficial da competição.
    A única Seleção invicta do Campeonato Mundial, prejudicada deliberadamente pelo Comitê Internacional de Rink Hockey, baseado em documentos falsos entregues pela Federação Portuguesa de Patinagem, o Brasil fez seu último protesto perante a organização. Mesmo assim, quando foi anunciada a entrar na pista, um ginásio lotado ovacionou, por alguns minutos, a patinadora que entrou para o desfile com a placa Brasileira, sem ser seguida por nenhuma jogadora.
    Enquanto isso, as jogadoras permaneceram no Hotel, aonde, depois da cerimônia, receberam a visita das Seleções da Itália e Suíça, compartilhando uma festa mais digna.



    Mais Brasileiras no Mundial (7 de outubro de 2006)

    Embora a Seleção Brasileira não tenha participado do desfile de encerramento do Campeonato Mundial de Hóquei Feminino, algumas brasileiras estiveram presente na cerimônia, defendendo as bandeiras de outras Seleções.
    A gaúcha Cintia Leite esteve com a Seleção de Macau, antiga colônia Portuguesa, hoje anexada pela China. Ela mora no país desde quando completou 1 ano de idade, mas seu sotaque deixa escorregar claramente suas origens.
    Já a outra brasileira, a paulista Paula Sakuma, é uma estrela. Artilheira do Campeonato Mundial de 1996, quando ainda defendia a Seleção Brasileira, a nikkei naturalizou-se australiana neste ano, e até marcou um gol contra sua ex-pátria, em jogo que saiu derrotada pela diferença mínima. Paula, que jogou por 3 temporadas em Portugal, tem um extenso curriculum de títulos, entre eles 6 títulos brasileiros, um Sulamericano e dois mundiais de Clubes.



    Seleção volta ao Brasil (8 de outubro de 2006)

    A Seleção Brasileira de Hóquei em Patins Feminino retornou hoje ao Brasil, depois da disputa do Campeonato Mundial, realizado na província de San Miguel. Embora não tenha perdido nenhum dos 6 jogos que disputou, a Seleção foi desclassificada pela maior fraude já realizada num Campeonato do Mundo, e terminou com a 9a colocação.
    O voô da Aerolineas Argentinas saiu do Chile às 10 horas da manhã (horário local) com destino à São Paulo, com uma escala em Buenos Aires.
    No fim da noite, as jogadoras seguiram para suas respectivas cidades, exceto as pernambucanas, que só embarcam para o Recife na manhã da segunda-feira.



    Lobby "afasta" Comissão Técnica (11 de outubro de 2006)
    O jornal Pernambucano Jornal do Commercio traz em suas páginas esportivas de hoje uma reportagem aonde garante que o treinador da Seleção Brasileira anuncia sua demissão da Seleção Brasileira feminina, depois de um Campeonato Mundial que chama de "fiasco".
    Mesmo que não seja verdade, fica claro que o jornal, que também dá como certa a aposentadoria das jogadoras Patricia Perini, Érica Silva e Patricia Albuquerque, responde ao lobby regional criado para promover mais interesses particulares em relação ao esporte do Brasil.
    O lobby, previsível, é a tentativa de que oportunistas aproveitem uma instabilidade política e tomem de assalto o comando da Seleção Feminina, inflando as próximas convocações com jogadoras da localidade, sem que seja levada em conta a qualidade do conjunto, num claro sinal de "vingança".
    Vale lembrar que, durante a convocação, o presidente da Federação de Pernambuco, Maroca, não fez questão de esconder a insatisfação de que algumas jogadoras de Pernambuco não tenham sido convocadas, em particular, sua filha, que defende o Clube Português do Recife e é uma promessa.



    Os donos do circo (25 de novembro de 2006)
    No comunicado oficial 37/2006, do dia 8 de novembro e não assinado pelo seu presidente, a Federaçao Portuguesa de Patinagem publicou oficialmente a punição de um ano, por suposto caso de doping, da jogadora brasileira Silvana Namie Nishi.
    Segundo o comunicado, a atleta foi suspensa por ter sido pega com o ridículo Heptaminol, num exame antidoping realizado na Final Four da Taça de Portugal. Vale lembrar que recentemente o atleta argentino Emanuel Garcia, do F.C.Porto, foi pego em exame semelhante com a potente Nandrolona e recebeu uma punição de apenas 3 meses.
    É desnecessário aqui dizer, que a corja da Federação Portuguesa de Patinagem, insiste em levar em frente a farsa que, apoiada pelo Comitê Internacional de Rink Hockey, é uma das maiores vergonhas esportivas dos últimos tempos.



    Carta aberta à FPP e ao CIRH (7 de janeiro de 2007)

    Neste período de férias, incluindo o natal e reveillon, preparei uma carta aberta à Federação Portuguesa de Patinagem e ao Comite Internacional de Rink Hockey, fazendo aquelas perguntas que todo mundo sempre quis saber, mas ninguém teve CORAGEM de perguntar.
    Para quem não lembra, as duas entidades proporcionaram ao Brasil uma injusta e escandalosa punição, devido a um suposto caso de doping, que resultou na eliminação do Brasil do Campeonato do Mundo feminino, numa das maiores farsas esportivas que eu tenho conhecimento.
    Além de estar disponível neste Flog para download, a carta foi enviada por e-mail a mais de uma centena de adeptos do hóquei cadastrados no meu maillisting.
    Vamos esperar para ver as respostas que serão nos enviada, oficialmente.



    Carta aberta já repercurte (10 de janeiro de 2007)
    Depois de ser publicada oficialmente na segunda-feira, dia 7, a carta aberta que escrevi para o CIRH e à FPP já trouxe as primeiras repercussões.
    Além da imprensa ter buscado, com um pouco mais de interesse, mais informações sobre o caso, tenho recebido uma porção de e-mails de elogio e incentivo. A notícia está, por exemplo, em destaque na capa do Mundo do Hóquei.
    Aproveito para informar que algumas pessoas não receberam o e-mail por terem suas caixas postais desatualizadas, cheias ou que não aguentaram o tamanho da mensagem.
    Para quem recebeu, deve ter notado que usei no documento os termos abrasileirados "Federação Portuguesa de Patinagem" (quando o certo seria Federação de Patinagem de Portugal) e Comitê Internacional de Rink Hockey (no lugar de "Comité International de Rink-Hockey").
    A bem da verdade é que, até agora, nenhuma das duas entidades se manifestou.
    BAIXAR A CARTA ABERTA AQUI (Atualizada)



    E-mails sobre a FARSA (12 de março de 2007)
    O presidente da Confederação Brasileira de Hóquei e Patinação, Sr. Moacyr Junior, tornou público uma troca de e-mails com o presidente do Comité International de Rink Hockey, Sr. Harro Strucksberg, sobre a farsa do Campeonato do Mundo.
    Os e-mails, reproduzidos aqui na íntegra e traduzidos do inglês, são auto-explicativos:

    Caro Junior,
    Anexado a "Carta Aberta" de Marcelo Albuquerque.
    Seguindo as regras, a CBHP só pode fazer um protesto contra a punição disciplinar imposta pela FPP (Suspensão de 1 ano para a goleira Silvana Nishi).
    Talvez, antes de fazer o protesto, você deveria falar com a Sra. Patricia Wallace, presidente da Comissão Anti-doping da FIRS, na Austrália.
    Com amáveis saudações,
    Harro


    Caro Harro e outros membros da nossa comunidade que recebem esta e-mail em c/c,
    Em primeiro lugar, desejo um feliz ano novo.
    Em relação à "Carta Aberta", ela foi enviada pelo técnico da Seleção Brasileira no último Campeonato do Mundo e, absolutamente, não foi enviado em nome da CBHP.
    Aproveitando a oportunidade, gostaria de dizer que os danos causados para o Hóquei Feminino do Brasil foram tão grandes, que é capaz que a modalidade não consiga sobreviver. Só posso imaginar que este tenha sido o objetivo de países concorrentes.
    Acima, você menciona "seguindo as regras..." e foi exatamente o que não foi feito durante o Campeonato Mundial, quando nenhum procedimento foi respeitado e forças maiores de corredores tiraram o Brasil das finais, punindo a equipe, e não a jogadora, que nunca sequer foi advertida por um Organismo Internacional sobre um suspeito caso de doping numa competição regional.
    A FIRS, CIRH ou WADA nos avisou alguma vez antes do Campeonato do Mundo? Verifique seus arquivos e veja que nada consta.
    Lembre-se dos procedimentos: todos os passaportes brasileiros foram aceitos durante o congresso, e o caso só veio à tona somente depois do início do Campeonato.
    Eu não aceito a maneira como o Brasil foi tratado. Sendo uma das mais importantes seleções do mundo, o Brasil foi deliberadamente prejudicado. É uma vergonha!
    Mas agora já é tarde. Nós não temos dinheiro para entrar com um Processo Jurídico contra Entidades. Então, esperamos que, no mínimo, a FIRS investigue os fatos.
    Esperamos que um dia a verdade apareça para que os responsáveis possam dormir com isso.

    Sinceramente,
    M. Junior



    Falta seriedade no Hóquei (13 de março de 2007)
    OPINIÃO
    Para todos aqueles que acompanharam o desenrolar das consequências da farsa que prejudicou o Brasil no Campeonato do Mundo de Hóquei Feminino, no Chile, em 2006, o desfecho final parece previsível: nada foi feito, ninguém será punido e a corja que comanda o Hóquei mundial continua intocável.
    Quando a Federação de Patinagem de Portugal, endossada pelo Comité International de Rink Hockey, INVENTOU um caso de doping da goleira brasileira Silvana Namie Nishi, com o intuito deliberal de prejudicar a Seleção Brasileira em mais uma campanha irrepreensível, era inimáginavel que tivessem êxito.
    Mas ficou provado que, em campo gerido pelos mesmo incopetentes de sempre, prevalece a mentira, a falta de carater e de ética dos dirigentes corruptos, velhos e ultrapassados - prova de que o Hóquei em Patins precisa de sangue novo já!
    A CARTA ABERTA publicada por mim com destino formal à Federação de Patinagem de Portugal e ao Comité International de Rink Hockey, sequer foi respondida, até porque as perguntas que foram feitas não precisam de resposta. Elas desmascaram a mentira, vitória da corrupção e do oportunismo, frente ao trabalho e a dedicação, não dos dirigentes brasileiros, mas das atletas, historicamente eternizadas por tudo que fizeram pelo Hóquei em Patins.
    Lamentamos, portanto, a FALTA DE HOMBRIDADE dos senhores Harro Strucksberg e Fernando Claro, os quais nem sequer tiveram a educação de responder à carta a quem lhes foi dirigida, exemplificando bem como pensam os dois mais poderosos do Hóquei Mundial, razão a qual, sabemos, nunca teremos um Hóquei Olímpico.
    Ainda não sabemos o impacto negativo que tudo isso terá no Hóquei Feminino do Brasil, deteriorado pela mentalidade arcaica dos principais dirigentes mundiais, que fazem de tudo para ceifar novas potências emergentes que ameacem seus reinados.
    Embora caminhando para a extinção, o Hóquei Brasileiro precisa de muita força para continuar vivo e peço, de coração, que os dirigentes brasileiros façam o possível, e em paz, pra que tenhamos força de reestruturar o nosso Hóquei.
    Afinal, precisamos de todos vocês, muito.

  •